Claudia Wild

Por que a imprensa persegue, mente e difama apenas Bolsonaro?

Com os últimos episódios protagonizados pela imprensa brasileira, o leitor pergunta-se: qual a razão de tamanha desinformação, manipulação, mentira, difamação, distorção dos fatos e virulência apresentadas contra o único candidato que não faz parte do sistema corrupto e atrasado que arrasou o Brasil?

A resposta é muito simples: todos que participam – direta ou indiretamente desse sistema – querem manter tudo exatamente como está, sem tirar nem pôr. Algumas vezes, podem até encenar briguinhas, divergências, mas ao final, saem todos juntos, abraçados e prontos para o próximo capítulo.

De alguns dias pra cá, a mídia nacional inundou seu noticiário com matérias que somente o desespero poderia justificar. Beira-se ao ridículo, à puerilidade. No entanto, em razão da ignorância que impera em algumas partes e setores nacionais, é preciso sempre esclarecer, repetir algo que seria absolutamente desnecessário, caso a ética e a imparcialidade fizessem parte das redações dos jornais e revistas do país.

Obviamente, que a maior missão do jornalismo é informar bem, de forma imparcial e séria. O bom jornalista pode e deve confrontar pessoas públicas na perquirição da verdade dos fatos. Mas o que se vê no Brasil, em período eleitoral, é a perseguição pura e simples. O ódio ideológico, a seletividade marxista travestidos de “profissionalismo”.

O Brasil assistiu a deploráveis cenas jornalísticas quando resolveram entrevistar o líder da corrida presidencial em sabatinas televisivas. Os que pretendiam “desmascarar” o inquirido, foram os desmascarados. Revelados em suas arrogâncias, parcialidades e falta de compromisso com os ditames do bom jornalismo.

Após tais investidas, a sanha do ressentimento não encontrou mais freio, mesmo após uma saraivada de críticas e do feitiço ter se virado contra os feiticeiros. Publicaram reportagens insinuando que o referido candidato à Presidência da República teria responsabilidade na “suspeita” morte de um marginal que o assaltara, décadas atrás. Difamaram o nome do falecido pai de Jair Bolsonaro, em pleno Dia dos Pais. Requentaram uma “denúncia” velha, dando conta que o candidato mantinha uma funcionária ‘fantasma’ para resolver de suas pendências pessoais. Funcionária esta, que foi “flagrada” vendendo açaí em uma lojinha humilde, numa comunidade pobre em Vila Histórica de Mambucaba, RJ. Tudo já tinha sido exaustivamente explicado, repetido e provado, mas não se dão jamais por satisfeitos, já que falta-lhes fato novo para acusarem o candidato de ser desonesto, corrupto e de ser um destes políticos que não têm compromisso com o país.

Inúmeros casos de corrupção e outros aparentes ilícitos envolvem os candidatos da esquerda e, portanto, blindados, protegidos pela mídia. Em uma breve consulta aos arquivos dos jornais encontramos querelas sérias que jamais foram exploradas ou indagadas por nossos supimpas jornalistas em suas sagas inquisitórias.

Em janeiro de 2014, por exemplo, o Jornal O GLOBO noticiou que recursos do programa Minha Casa, Minha Vida, estes, da ordem de R$ 89 milhões foram repassados para o braço urbano do MST, o MTST ( Movimento dos Trabalhadores Sem Teto ), para construção de moradias em três estados: São Paulo, Pernambuco e Goiás. Alguém saberia dizer se a imprensa fiscalizou – ou tem fiscalizado – se o dinheiro público entregue está sendo utilizado de forma correta?

O MTST é o movimento coordenado nacionalmente por Guilherme Boulos, do PSOL, partido da extrema-esquerda, queridinho da mídia nacional e festejado nas redações Brasil afora. O líder do movimento que invade propriedade alheia, inclusive, responde a dois processos criminais que jamais tornaram-se objeto de questionamento. O MTST é um movimento bacana que cobra aluguel de brasileiros miseráveis que invadem prédios públicos e privados.

O presidenciável Geraldo Alckimin, por sua vez, é citado em delações premiadas de processos criminais em curso; ganhou o sugestivo apelido de “Santo”, na lista da corrupção da empreiteira Odebrecht; é mencionado – juntamente com outros tucanos de alta plumagem – de ter ligação com a farra com dinheiro público na construção do Rodoanel, em SP, e do desvio de dinheiro da merenda infantil das escolas estaduais paulistas – que teve denunciado o cunhado do ex-governador paulista, Paulo César Ribeiro. Na investigação, Paulo César é apontado como o responsável por direcionar a contratação da empresa Verdurama, que fornecia merenda ao estado de SP; Alckmim responde por crime de responsabilidade fiscal e enriquecimento ilícito em Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público, além de aparecer em outras citações pouco republicanas. Entretanto, aos olhos da imprensa companheira, tais fatos são desimportantes e o tucano nada possui que o desabone.

O presidiário mais famoso do país, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, político que responde a outros SEIS processos criminais é mencionado nas redações dos jornais como um “potencial candidato”, como se contra ele nada pesasse, ou como se o criminoso não estivesse preso, cumprindo pena. Por pura fidelidade ideológica tratam um bandido como o mocinho vitimado pela justiça implacável dos tiranos poderosos.

Poderíamos aqui, listarmos mais diversos casos suspeitos envolvendo os políticos, que por ora disputam o cargo máximo do país. A lista é enorme e não faz parte das pautas atuais de discussão na grande mídia. Entretanto, a mui diligente imprensa brasileira só tem olhos, nariz, boca e dedos apontados para seu desafeto Bolsonaro. O político que publicamente teve a inaceitável “petulância“ de declarar que não pretende sustentar com dinheiro público as redações viciadas em mortadela e caviar.

A cólera da mídia faz supor que, talvez, Jair Bolsonaro esteja mais próximo da vitória do que se imagine. Daí a alucinada sofreguidão para tentar convencer os eleitores brasileiros daquilo que o ex-capitão do Exército nunca foi: um corrupto, um pária da política, já que ele não é sócio do pouco seleto Clube do Jornalismo Camarada Nacional.

Até agora, a tentativa tem se mostrado um desastre e tende a repetir aquilo que assistimos nos Estados Unidos: “a inexplicável vitória de Trump”, para a mídia, é claro.

Compartilhe
  • 28
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    28
    Shares

About Author

Advogada, Colunista do Portal Hora Extra e a Reunião. Correspondente Timelinews na Alemanha.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

  Se inscrever  
Notificação de

Deixe uma resposta