Uma constante em todas as administrações de Poços de Caldas, é notória e chama a atenção da população a cada gestão.

De alguns anos para cá, diversas foram as obras de revitalização efetuadas em Poços de Caldas, que analisando friamente, surtiram apenas efeito cosmético temporário, sendo relevadas ao total esquecimento, no decorrer dos anos.

Talvez a mais emblemática obra de revitalização seja a da Thermas Antonio Carlos, que depois de tantas reformas e gastos exorbitantes, acabou por ser entregue para a Codemig que em um processo de transição e decisões internas, assumiu o controle em (15) de janeiro de 2018.

A avenida Marechal Deodoro, também é outro exemplo de gastos com o dinheiro público, no qual não se observou retorno para a população, apenas fez com que o trânsito se tornasse mais caótico nos horários de pico. A área que realmente merecia uma revitalização continua escura, com iluminação precária, ao lado do ribeirão da antas, que recebe lixo e esgoto das adjacências, e em época de chuvas, já destruiu partes da avenida no passado.

Iluminou-se a avenida, porém o tráfico de drogas ( que existe em diversos locais do município), e presença de prostitutas permanece ( embora em número reduzido), e abrange não somente a marechal, mas também a avenida adjacente, a Francisco Salles, que permanece em condições precárias, com iluminação insuficiente e faixas de trânsito (sinalização horizontal), transpostas que confundem os motoristas. Você não sabe em qual das marcações no asfalto deve seguir, principalmente no trecho que passa pelo mercado municipal, indo até o ponto de ônibus central.

Curiosamente há 2 anos alertávamos para o perigo iminente na estrutura do monotrilho, fruto da iniciativa privada e que por estar desativado, passou a representar uma preocupação muito grande para os usuários da avenida João Pinheiro e Mansur Fhraya , desde a queda de um segmento de concreto, que felizmente não fez nenhuma vítima, mas que chamou a atenção. A queda se originou no rompimento de duas pilastras em 2003.

Falando em trilhos, não muito distante, estão as discussões sobre a reativação do trem que liga Poços de Caldas (MG) a Águas da Prata (SP). Outra obra dispendiosa e sem garantias de retorno financeiro para o município e que, pelo que já presenciamos, seria outro elefante branco a ser ressuscitado, para gerar apenas gastos.

E coloque gastos nisso, pois a contrapartida da prefeitura sem dúvidas seria muito maior que o valor reservado pelo estado.

Até o atual momento nenhuma parceria público privada, está firmada, e a política que deveria evidenciar os pontos turísticos da cidade continua parada. A Casa de Chá do recanto japonês continua no solo, desde que foi incendiada por vândalos em agosto de 2016.

E não há previsão para que possa ser reestabelecida, e seguramente as obras de reconstrução alcançarão valores exorbitantes. Perde-se em turismo, perde-se em reconstrução, enfim perde-se tudo.

Atentamos também para o monumento na praça Pedro Sanchez do Índio Cataguas que apresenta sinais de desgaste pelo tempo. Segundo informações da Associação Sul Mineira de Imprensa, o monumento apresenta folga na base de sustentação, e poderá ruir se providências não forem tomadas.

O projeto adote uma praça, não previa um problema tão sério como este. E para agravar a situação, há semanas foram flagradas pessoas dormindo no balneário Mário Mourão, localizado na praça dos macacos.

Pelo projeto de revitalização, estão previstas melhorias na Avenida Cartão Postal da cidade, que será direcionada aos Turistas.

A revitalização extende-se também à ciclovia, que pelo menos no projeto, se mostra uma conquista sem a menor sombra de dúvidas, devido à atual condição em que se apresenta.

Um dos maiores problemas a ser solucionado, no entanto é o mal cheiro que exala do ribeirão das antas, onde emissários despejam esgoto e torna o trajeto insuportável nos dias de hoje.

Curiosamente no projeto não há a presença do Monotrilho, será que finalmente será removido? Ou no projeto foi simplesmente ocultado?

O ideal, e fica aqui a sugestão, é que a administração solicite e a câmara aprove um projeto de lei que determinasse um percentual de benfeitorias a patrimônios públicos, para construtoras que celebrarem contratos com a Prefeitura. Isto inclui as autarquias municipais, de quando da celebração de contratos com terceiros e cujo valor seja significativo. Afinal Poços de Caldas tem por obrigação criar políticas que visem beneficiar o turismo na cidade, e nada mais justo do que contar com a participação público privada também nestes contratos.

A revitalização da avenida João Pinheiro prevista para ter início nesta administração após aprovação pela câmara de vereadores, e com contrato em até 24 anos para pagamento de um total de 96 milhões, esbarra no problema do monotrilho, além de comprometer as próximas 6 administrações, e que com certeza será um desafio muito grande em vista do impasse que se arrasta há anos na justiça.

Mesmo com a construção de gabiões e emissários, ainda teremos que ter cautela com enchentes, uma vez que ainda existe o problema da represa Saturnino de Brito quando ocorrem chuvas fortes. Não existe nenhuma previsão ou qualquer ação para intervir no início do ribeirão que corta a cidade por baixo, e passa pela avenida Santo Antônio, Praça dos Macacos, e Rua Junqueiras.

Os visionários que planejaram a cidade, alargando as ruas centrais, com certeza jamais previram tamanho embroglio no desenvolvimento de Poços de Caldas, agora que o empréstimo foi aprovado, é torcer para que as obras sigam o cronograma e que fiquem como foi proposto no vídeo promocional. Deixe sua opinião em nossa área de comentários logo abaixo.

Mais notícias

Acidente na Av. Remígio Prézia, causa apagão em bairros da cidade

Acidente, causou apagão e deixou alguns bairros da cidade sem energia elétrica neste sábado (15/12)

Banda da lata promove XXII Natal sem fome

A Banda da lata e associação promovem a 22ª edição de amor, solidariedade, e respeito ao próximo, participe, e prestigie

Poços registra apreensão de gêneros alimentícios impróprio para consumo em rodovia

Já é o segundo registro em menos de 7 dias, de transporte de carga irregular. Itens alimentícios foram descartados e inutilizados no aterro sanitário.

Prefeitura de Poços antecipa pagamento do 13º salário

Apesar da crise, Prefeitura de Poços antecipa pagamento do 13º salário. Depósitos já foram realizados nas contas.