Caso Ana Lívia Comove e Revolta

O caso comoveu toda a população, que assustada e ao mesmo tempo revoltada, se manifestou intensamente nas redes sociais
Compartilhe
  • 20
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    20
    Shares

Poços de Caldas-MG. A morte de uma criança de 3 anos, em decorrência do espancamento pelo padastro, revoltou, comoveu e assustou os moradores da cidade nesta sexta-feira ( 15).

Ana Lívia Lopes da Silva, faleceu às 02h30 em decorrência dos ferimentos causados pela agressão, que segundo a própria mãe, foram realizados em dias consecutivos.

O Padastro Christopher Antony Tavares Coelho, de 27 anos, foi preso e encaminhado ao presídio de Poços, onde responderá por feminicídio e outros agravantes no caso. A mãe Leticia Lopes Fonseca também foi presa e deve responder pelo crime de omissão.

Motivo Banal

O depoimento da mãe deixou claro que tudo aconteceu por um motivo banal. Segundo Leticia a menina teria urinado na roupa e na cama, fato que desencadeou a fúria do padastro , que a colocou de castigo, depois de agredir a menina, tendo este fato ocorrido na quarta-feira (14). A menina sofreu novamente agressões do padastro após sair do local, desta vez tendo sangramento pelo nariz. Porém as agressões não param por ai, durante a noite a menina foi novamente agredida.

A violência foi tanta que a criança apresentou fraturas nas costelas, perfuração de pulmão e politraumatismo crânio-encefálico.

O Padastro Christopher Antony Tavares Coelho e Ana Lívia ( Vítima). Foto: Redes Sociais.

Crueldade

Os médicos que atenderam a menina estavam abalados com o estado no qual ela chegou ao hospital, considerado gravíssimo.

Em depoimento, a mãe, Leticia Lopes Fonseca, contou que as primeiras agressões foram com chinelo, porém os médicos encontraram contusões, revelando que a menina sofreu chutes e pontapés. A polícia investiga indícios de abuso sexual, supostamente ocorrido meses antes.

Demora no Socorro

Embora as agressões à Ana Lívia tivessem começado na quarta-feira, se repetido durante a noite, na manhã de quinta-feira a menina foi agredida novamente pela manhã, e ao acordar, por volta de 08h20 , a mãe em depoimento à policia, alegou que viu lesões na filha. Embora tenha despertado, a menina ficou inconsciente logo em seguida, condição que durou até por volta das 17h00.

Letícia Fonseca mãe da criança ao lado do padrasto Christopher Antony autor das agressões. Foto: Redes Sociais

A menina apresentou inchasso e sangramento, momento no qual a mãe solicitou a ajuda da sogra e cunhada, que residem ao lado, no conjunto habitacional. Ao se deparar com a condicão da criança, imediatamente foi levada ao hospital pelo Samu.

Ana Lívia deu entrada no hospital por volta de 17h30, sendo transferida para a Santa Casa 40 minutos mais tarde, após passar por uma drenagem, decorrente de ferimentos que dificultavam a respiração.

Causa da Morte

Ana Lívia não resistiu aos ferimentos e faleceu às 02h30 da madrugada desta sexta-feira (15). Os legistas definiram como sendo três as causas da morte, contusão ( chutes/pontapés), hemorragia no cérebro e politraumatismo crânio-encefálico.
O corpo da menina foi liberado ainda pela manhã, e foi velado no cemitério da saudade, até as 17h00 onde foi enterrado.

Revolta e Comoção

O caso comoveu toda a população, que assustada e ao mesmo tempo revoltada, se manifestou intensamente nas redes sociais.
Poços de Caldas sempre foi uma cidade muito hospitaleira e tranquila, tendo o caso repercutido inclusive na imprensa internacional. Os perfis do padastro e da mãe no faceboock receberam inúmeros comentários, com a manifestação dos cidadãos. O caso chocou a opinião pública, e até profissionais da área jurídica se manifestaram incisivamente.
As informações são da Polícia Militar.

Questionamentos

A escola onde a menina estudava, comunicou lesões à menina, um mês antes do ocorrido ao conselho tulelar, que inicou o processo de orientação da familia. A policia ja solicitou toda a documentação para anexar ao processo de investigação. A Avó e Mãe de Leticia Lopes Fonseca, em depoimentos à imprensa, relataram estar proíbidas de visitar Ana Lívia, por motivos ainda pouco explicados. O relacionamento teria apenas 7 meses, e segundo a Avó, em um encontro com a menina no colégio, houve a descoberta de lesões na menina.

Compartilhe
  • 20
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    20
    Shares
avatar

Postado por Walter Viana

Radialista, técnico em rtv, blogueiro,aficionado por tecnologia e comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − sete =