Seguindo a trilha deixada pelos farelos de pão com leite condensado, pode-se presumir, que além de doce, a nova política que desponta no horizonte brasileiro reserva surpresas. Notóriamente Bolsonaro não está inclinado a ser parceiro da imprensa fake news, e justamente por este motivo, muito pouco se sabe sobre as bases de governo que estão a poucos dias de ter início, e é exatamente por isto que esta notícia é apenas e tão somente uma suposição.
Aos poucos Jair Bolsonaro está “costurando alianças” não com partidos, mas com algo muito maior. As reuniões no condomínio Vivendas da Barra, cada vez mais frequentes, e em maior número com autoridades internacionais, deixa claro que Bolsonaro não está para brincadeiras. Determinado, tudo que é decidido nestes encontros, não é divulgado em nenhum veículo de imprensa.
Aposto todas as minhas fichas em um Governo jamais imaginado no país, com apoio e investimentos de potências mundiais nos mais diversos setores. Essa coalizão internacional, sem dúvida será um sucesso, pois algo assim jamais foi colocado em prática no país.
Não é atoa que Olavo de Carvalho recusou o convite para ser ministro da educação, preferindo ser embaixador. Ele sabe que o poder virá de fora, fazendo com que a velha política, que se afogou na corrupção, não tenha mais espaço para fluir.
Os efeitos desta nova política ja começam a ser notados nas reações as indicações feitas por Bolsonaro nos seus ministérios.
Roberto Requião, já percebeu o poder desta nova política e ja mostrou as guarras ao provocar Sérgio Moro com o projeto de lei “Onix”( Veja a lei aqui), onde o alvo foi Onix Lorenzoni ( DEM-RS) ministro extraordinário do governo de transição. A ironia do ato revela algo mais preocupante. Nossos deputados e senadores brincam com as leis por pura conveniência, o que causa ainda mais confusão, atraso e ineficiência do nosso sistema de governo, sem mencionar os custos. Até o momento da edição deste post 112 votaram a favor e 141 contra. Mas afinal de contas, Requião disse ter “Colocado o guizo no pescoço do gato”, porém se esqueceu que ele faz parte desta cambada ( conjunto de gatos), e que diferenciar gatunos será uma das novas tarefas do ministério de Sérgio Moro.
Outra faceta combatida por Bolsonaro, é a de oportunistas em seu governo, tendo sido metódico nas escolhas e revelando-as aos seus eleitores em seus canais oficiais nas redes sociais o faceboock, twitter , instagram, mostrando a importância de se comunicar primeiro aos seus eleitores, sem sequer se incomodar com a imprensa. Recentemente o Dr. Ray a exemplo de Doria, deu com a cara na porta ao não ser recebido por Jair Bolsonaro, que na ocasião encontrava-se em reunião à portas fechadas com os embaixadores da Argentina e Alemanha.
Expectativa é o que não falta, para que o novo governo tenha início, em meio a tantos desafios, entre eles a votação da pauta bomba referente ao reajuste salarial do STF, que foi articulada por Eunício Oliveira, presidente do Senado, pegando todos de surpresa e causando indignação por parte da população. Resta saber se Temer, sancionará ou não o reajuste. O efeito cascata deste reajuste poderá causar um rombo de r$ 4 a r$ 6 bilhões de reais por ano na economia que afetará todo o funcionalismo publico em diferentes esferas, será o responsável por gastos neste patamar, com incidência maior nos servidores estaduais sendo só ai r$ 2 bilhões de reais a mais com gastos, um impacto profundo na economia.
Enquanto o teor de todas as reuniões com autoridades de outros países não é revelado, nota-se um certo alvoroço em toda esfera política, jamais visto no País

Mais notícias

Secretários são anunciados por Zema

Romeu Zema anunciou os novos secretários em suas redes sociais.

Menos médicos, mais Ministros

Os altos e baixos da política brasileira nesta quarta-feira (14/11).

Ministro da Educação é anunciado

Anúncio acaba de ser feito nas redes sociais do Presidente eleito

Definido novo Ministro da defesa

Fernando Azevedo e Silva é o escolhido por Jair Bolsonaro como Ministro da defesa. O anúncio foi feito nas redes sociais do presidente eleito.